Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Especialista explica as causas do bullying e como os pais devem lidar com esse problema no ambiente escolar
Bullying impacta a saúde mental de crianças e adolescentes - Foto: Shutterstock

Comportamento

Bullying: saiba o que fazer se seu filho pratica ou é vítima

Especialista explica as causas do bullying e como os pais devem lidar com esse problema no ambiente escolar

A prática do bullying é um dos principais problemas que as escolas devem se preocupar, já que vem crescendo consideravelmente nos últimos anos. O ambiente escolar, onde deveria ser um local de segurança e proteção de estudantes, acabou se tornando um dos maiores palcos para esses comportamentos agressivos e de violência. 

O bullying pode assumir diversas formas, podendo ser físico, verbal ou até mesmo digital com o acesso das crianças à internet. A longo prazo, as consequências desse comportamento se refletem na saúde mental dos envolvidos, prejudicando a autoestima e desempenho acadêmico deles.

A educadora parental Priscilla Montes explica que a agressão e violência não se configuram como a mesma coisa, já que um é um comportamento inato dos seres humanos. “A violência é quando a minha intenção é causar danos em outras pessoas, e a criança não tem essa intenção. A agressividade vem de uma emoção básica que é a raiva, que sinaliza para o corpo alguma injustiça ou um perigo, gerando a vontade de querer lutar, fugir ou atacar”, esclarece. 

Durante a primeira infância, geralmente até os 7 anos, a agressividade aparece como uma característica funcional do corpo humano, já que é um sistema de defesa inerente do ser humano. “Além de ser natural da gente, a agressividade é esperada nos primeiros anos de vida, a função dos adultos é ajudar a acolher, redirecionar e canalizar esse sentimento”, diz Priscilla. 

Bullying exige atenção

Um recente estudo realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) revelou que no Brasil, 14,8% dos estudantes adolescentes escolheram faltar às aulas por não se sentirem protegidos no ambiente escolar. Também foi apontado que 7,4% já foram vítimas de bullying e que 19,8% já praticaram a violência. 

Os dados mostram que existe uma disparidade entre quem já fez bullying e quem já sofreu essa violência, revelando que há uma dificuldade na percepção de que determinados comportamentos podem ser classificados como bullying. 

À medida que essa prática violenta continua ganhando força entre os estudantes, é fundamental que escolas e os responsáveis reconheçam a gravidade do bullying e adotem medidas mais eficazes contra esse problema

“É essencial explicar para as crianças desde pequenas o que é o bullying e como isso pode afetar os colegas. Nosso dever é ensinar sobre o respeito, respeitando as crianças, através do acolhimento. Quanto mais apresentarmos a elas habilidades para responder aos estímulos do dia a dia, melhor elas vão ser em conseguir resolver conflitos”, aponta a educadora. 

O que fazer?

De acordo com a profissional, o primeiro passo para enfrentar essa situação é marcar uma conversa com a escola para entender o que está acontecendo e estar disposto a compreender. 

“Nesse momento, a escola e os pais devem agir em equipe para traçarem estratégias para lidar com isso. O bullying começa desde cedo e vai evoluindo, por isso é importante ensinar às crianças habilidades socioemocionais”, argumentou Priscilla. 

No lado dos pais que o filho está praticando o bullying, no entanto, a intervenção deve ser diferente. Nesse caso, a educadora adverte que a reunião com a instituição de ensino é indispensável e que a escuta ativa é essencial para elaborar estratégias para melhorar esse comportamento. 

Mais notícias como essa

Receitas

Super saudável, a ora-pro-nóbis pode aparecer em chás e várias outras receitas; aprenda como consumir e absorver seus benefícios

Casa & Decor

Às vezes, mesmo com a faxina frequente, você pode estar cometendo outros erros que atraem a poeira para o seu lar

Saúde

Endometriose é responsável por cerca de 30 a 50 % da infertilidade feminina; especialista explica os tipos de tratamento

Receitas

Com essas dicas, você vai saber como fazer um brigadeiro ainda mais delicioso, praticamente uma versão gourmet do doce