Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Entender quando acatar ou não os palpites traz autonomia à maternidade
Entender quando acatar ou não os palpites traz autonomia à maternidade (Crédito: Shutterstock)

Comportamento

Palpites na maternidade: como lidar

Psicóloga explica como o excesso de palpites na maternidade pode afetar a mulher e dá dicas para driblar a situação

O sonho de ser mãe pode ser fortemente abalado por palpites na maternidade. Afinal, bastam duas linhas no teste de gravidez para familiares e pessoas próximas tomarem aquela experiência também para si. Assim, as mulheres passam a ter que lidar diariamente com comentários e sugestões que, nem sempre, têm a ver com o seu modo de maternar. 

Apesar de muitas dessas opiniões — às vezes, sem cabimento — virem disfarçadas de conselhos, é importante lembrar que a futura mãe se encontra em um momento delicado, com hormônios a mil, e esse falatório pode interferir negativamente nessa fase.

Segundo a psicóloga Ligia Dantas, não ter uma rede de apoio dificulta o processo da mãe estar com o bebê nesse primeiro momento. Por isso, as mulheres se cercam dessas pessoas dispostas a ajudar e que, na maioria das vezes, passam a dar palpites na maternidade.

“Principalmente no primeiro filho, quando ainda não confiamos, a tendência é ouvir alguém que supostamente sabe mais que a gente, como mães e sogras, por exemplo. Mas esse é um suposto saber, afinal, elas também não sabiam como fazer e encontraram um jeito”, considera a especialista e membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH)

Insegurança dá poder às opiniões

Desse modo, por ainda não estar tão certa sobre como cuidar do bebê, a mulher passa a buscar referências. Só que nem sempre esse modelo precisa vir da família, sabia? Nessa busca por ajuda, Lígia diz que grupos de apoio, especialistas em amamentação e o obstetra podem inspirar bastante confiança. 

Médicos e especialistas podem ser fontes de informações na gestação e maternidade (Crédito: Shutterstock)informações na gestação e maternidade
Médicos e especialistas podem ser fontes de informações na gestação e maternidade (Crédito: Shutterstock)

“Mas não deixe de levar em conta também o afeto, que muitas vezes está no palpite. Então, nem sempre ele é nocivo. Muitas vezes, é só uma demonstração de preocupação. O que eu percebo é que as mulheres dão poder a isso quando se sentem inseguras, se achando inferiorizadas diante dessas outras que já sabem mais”, contrapõe a psicóloga. 

Portanto, apesar de essas opiniões poderem ser bastante incômodas, vale verificar a causa de tanto incômodo. Como a profissional ressaltou, é comum familiares — em especial, mães e sogras — demonstrarem afeto a partir desses conselhos, como uma forma de cuidar. O controle está na forma com a qual você recebe isso. 

Buscando (suas) referências 

“A questão está onde buscamos a referência e a quem daremos esse poder de nos direcionar. A maternidade é um conhecimento que vai sendo adquirido no caminhar. Afirmar e assumir que não sabe, que está começando essa jornada e buscar suas fontes é importante”, orienta Lígia, que adverte também sobre as informações não comprovadas da internet. 

Ou seja, está tudo bem em não saber — e admitir isso tirará um bom peso das costas, viu? Com isso, é chegada a hora de aprender e é você quem decide onde buscar tal conhecimento. Assim, a psicóloga ressalta que, talvez, não tenha nenhum problema em ouvir a sogra, por exemplo. Aí, cabe a você decidir se vai seguir esse conselho ou não. Afinal, a mãe é você! 

O lugar é da mãe — e de mais ninguém!

Com o bebê, nasce a mãe, que deve ocupar esse papel — e mais ninguém além dela. Entretanto, mesmo sendo protagonista da sua maternidade, ela pode ouvir conselhos, pedir ajuda, buscar respostas para o que não sabe. O limite disso está justamente na decisão em fazer ou não o que alguém recomendou — ou palpitou.

Avós devem respeitar as decisões da mãe
Avós devem respeitar as decisões da mãe (Crédito: Shutterstock)

E esse “lugar de mãe” também precisa ser compreendido por quem está de fora, como os parentes mais próximos. “Quem está do outro lado e quer demonstrar afeto ao ver que essa mãe está com dificuldade, pode se mostrar disponível, dizer que está ali para ensinar como fez, caso ela queira. O principal é mostrar que essa gestante ou puérpera pode contar com você. E, claro, respeitá-la”, aconselha a especialista. 

Por fim, ela reforça a importância do(a) companheiro(a) nesse processo. Além de acolher a mulher com suas inseguranças e dificuldades, ele(a) pode ser uma figura bastante útil para ajudá-la a lidar com os palpites e até a sair de situações constrangedoras causadas por eles. 

Fonte: Ligia Dantas, psicóloga, especialista em reprodução humana e membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH). 

Mais notícias como essa

Estilo de Vida

Óleos essenciais podem ser usados para amenizar a timidez, aumentar a libido e até elevar a autoestima

Comportamento

No inverno, dá muita vontade de passar o dia inventando coisas divertidas em casa mesmo, né? Veja opções para fazer na estação

Receitas

Cada um dos tipos de banana pode ser melhor para determinados usos ou dependendo do seu gosto; confira as características dos mais comuns

Beleza

Alguns cuidados são fundamentais para modelar os cabelos com segurança e deixar os cachos mais definidos e com movimento