Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Alopecia areata: conheça a causa e tratamento da condição
A alopecia areata é uma doença que provoca a queda severa de cabelo - Foto: Shutterstock

Saúde

Alopecia areata: conheça a causa e tratamento da condição

A alopecia areata é uma doença autoimune que provoca a queda dos cabelos e dos pelos em diferentes regiões do corpo

A alopecia areata é uma doença inflamatória autoimune que provoca a queda dos cabelos e dos pelos em diferentes regiões do corpo. A perda de fios resulta em falhas circulares, sem pelos ou cabelos, podendo ocorrer em curtos períodos. 

Segundo a especialista em medicina capilar Patrícia Marques, a alopecia areata não é cicatricial, ou seja, o bulbo capilar não sofre fibrose. Por isso, mesmo após décadas do início da doença, os pelos podem voltar a crescer com tratamento. 

“Essa situação é diferente da calvície, por exemplo, onde o pelo acaba perdido, ou da alopecia frontal fibrosante, que também não tem como recuperar os fios”, conta a profissional. 

Causas da doença

A alopecia areata está entre os tipos mais comuns de queda de cabelo e pode ser causada por fatores genéticos e emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos. Além disso, ela pode atingir tanto homens quanto mulheres, na mesma proporção. 

“Quase sempre, a alopecia areata acomete pessoas jovens, não é comum em crianças. Na maior parte dos casos, aparece entre 20 e 30 anos e frequentemente está associada a outras doenças autoimunes, como o vitiligo e a tireoide”, explica Marques.

Tipos e tratamento

O tipo mais comum da doença é uma placa oval única, mas há a forma de placas múltiplas; a totalis, em que a pessoa fica careca, mas com sobrancelha, cílios e pêlos corporais, além da universal, que faz cair todos os cabelos e pelos do corpo. Existe também a forma difusa, que pode se confundir com outras doenças e é de difícil diagnóstico.

Nas formas mais comuns de placas, o tratamento é tópico, ou seja, com medicamentos aplicados na região acometida, apenas. Mas nas outras formas de apresentação, o tratamento deve ser via oral – já que fica difícil passar algum produto no corpo inteiro ou na cabeça toda.

Os medicamentos mais utilizados são o minoxidil e corticoides em injeções tópicas. A maior parte dos casos responde bem ao tratamento e os cabelos voltam a crescer, porém isso não é regra.

Já para os casos graves, utilizam-se medicamentos imunomoduladores que agem diminuindo a resposta autoimune do corpo em relação ao pelo. A Anvisa aprovou recentemente um novo medicamento dessa classe, o Baricitinib, que promete diminuir a inflamação no folículo e permitir que os fios voltem a crescer.

“O grande problema é que geralmente são remédios muito caros, então o acesso fica restrito, sendo necessário entrar com medidas judiciais ou na fila de tratamentos de alto custo. O valor é algo que ainda limita bastante, apesar de ser um medicamento que está dentro do que existe de mais moderno”, conclui a tricologista.

Mais notícias como essa

Estilo de Vida

Especialista ensina como aplicar a neurociência no seu dia a dia para aumentar a sua disposição e melhorar a sua produtividade

Pets

Médica-veterinária explica como o estilo de vida e a castração, por exemplo, influenciam em quanto tempo vive um gato

Receitas

Nada mais decepcionante do que fazer um bolo e ele murchar, não é mesmo? Descubra como não passar mais por isso

Receitas

Fazer uma tapioca deliciosa como aquelas de café da manhã de hotel é possível; basta saber de alguns truques especiais