Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Dia mundial de conscientização da doença reforça papel do diagnóstico precoce e do tratamento para conter a progressão dos sintomas
Esclerose Múltipla não tem cura, mas possui tratamento - Foto: Shutterstock

Saúde

Esclerose Múltipla: saiba a importância do diagnóstico precoce

Dia mundial de conscientização da doença reforça papel do diagnóstico precoce e do tratamento para conter a progressão dos sintomas

Nesta quinta-feira (30), comemora-se o Dia Mundial da Esclerose Múltipla, criado para alertar a população sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento da condição. A esclerose múltipla é uma doença neurológica autoimune, que não tem cura, e que acomete o sistema nervoso central, composto pelo cérebro e a medula espinhal. Apresenta maior incidência entre 18 e 40 anos de idade e atinge três vezes mais mulheres que homens. 

Por isso, especialistas alertam que o diagnóstico precoce, aliado ao acompanhamento médico detalhado, é a chave para a estabilização e qualidade de vida dos portadores. “O tratamento visa conter os surtos, principal evolução da esclerose. Ao barrar o acúmulo dessa progressão, possibilitamos uma normalização de rotina ao paciente”, explica Karoline Cohen, neurologista do Centro de Medicina Diagnóstica do Hospital São Luiz Campinas, da Rede D’Or. 

A médica explica que o diagnóstico da doença é realizado pelo neurologista, por meio da avaliação clínica e de exames como ressonância magnética de crânio, da coluna e análises laboratoriais. “Nos surtos iniciais a enfermidade apresenta sintomas que duram dias ou semanas, evoluindo para uma melhora espontânea. Após algum tempo, sua recuperação passa a ser mais lenta e parcial, trazendo sequelas cada vez mais incapacitantes”, alerta a Dra. Karoline. 

Sintomas e complicações

Segundo a Organização Mundial da Saúde, são 2,8 milhões de registros em todo o mundo. No Brasil, estima-se que a doença afete de 15 a 27 indivíduos a cada 100.000 habitantes. Entre os sintomas da esclerose múltipla estão a perda de força, sensibilidade em um segmento do corpo, redução da visão associada à dor e incontinência urinária

Outro agravo, se não tratada, é a perda de mobilidade, que pode vir de modo leve ou exigir o uso de cadeira de rodas. “Essa patologia é desmielinizante, isto é, atua destruindo a mielina, estrutura responsável pelas sinapses saltatoriais, fragilizando o sistema neurológico”, complementa a especialista.

Ainda de acordo com a neurologista, a esclerose múltipla é multifatorial, ou seja, é causada por uma soma de fatores que o paciente é exposto durante a vida. Além da predisposição genética, também está relacionada ao tabagismo, obesidade na infância e certos tipos de infecções. 

Apesar de ser conhecida há muito tempo, nos últimos anos a doença tem ganhado atenção e, por consequência, diagnósticos e tratamentos cada vez mais precoces e eficientes. “Medicações injetáveis, orais e infusionais são hoje as terapias de combate à evolução do quadro, sendo aplicadas de forma individualizada, sempre dependendo da gravidade e demanda de cada caso”, finaliza a médica do São Luiz Campinas.

Mais notícias como essa

Comportamento

Está sem criatividade do que compartilhar ou enviar para seu par nesse Dia dos Namorados? Inspire-se com essas belas mensagens de amor

Pets

A flora intestinal dos animais de estimação desempenha um papel importante na manutenção do equilíbrio do organismo

Moda

Inspirada na estética esportiva de tenistas, o tenniscore está em alta no universo da moda; saiba como aderir

Comportamento

Especialista explica o termo “vínculo fantasma”, que tem sido muito discutido nas redes sociais e pode ser confundido com o ghosting