Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Silencioso e de difícil diagnóstico, câncer de ovário é grave e pode ser letal; confira os fatores de risco e saiba como se prevenir
Câncer de ovário é um tipo de câncer letal - Foto: Shutterstock

Saúde

Câncer de ovário: conheça os sintomas e tratamento

Silencioso e de difícil diagnóstico, câncer de ovário é grave e pode ser letal; confira os fatores de risco e saiba como se prevenir

O câncer de ovário não é um câncer muito comum, mas difícil de ser diagnosticado. Para este ano são esperados cerca de 7.300 novos casos de câncer de ovário no Brasil, enquanto o câncer de mama espera-se cerca de 73 mil novos casos.

A doença também é altamente letal. O percentual de pessoas que morrem pelo câncer de ovário é de 60% a 70%, o que equivale a cerca de 2/3 dos pacientes que receberam diagnóstico positivo para a condição. 

Segundo o médico oncologista e mastologista Prof. Dr. Wesley Pereira Andrade, “cerca de 80% das pacientes com a doença são diagnosticadas na sua fase localmente avançada, onde o câncer já saiu do ovário e já soltou células contaminando o peritônio, que é uma membrana que reveste o intestino e os órgãos abdominais”. Alguns dos principais fatores de risco para essa doença são:

  • Idade acima dos 50 ou 60 anos de idade;
  • Histórico familiar;
  • Mutações genéticas, principalmente a mutação do gene de BRCA, ou BRCA2, que são genes protetores contra o câncer de ovário e o câncer de mama. 

“Quem nasce com esse gene mutante nasceu sem um anjo da guarda que protegeria contra o risco de desenvolver essa doença. Outros fatores de risco são obesidade, não ter utilizado anticoncepcional, que protege contra o risco da doença, bem como outras causas”, adverte o médico.

Sintomas da condição

Os sintomas do câncer de ovário podem ser vagos e inespecíficos, o que torna o diagnóstico muito difícil na sua fase precoce. Alguns sintomas que, em geral, só vão estar presentes na sua fase mais avançada. Entre eles, estão:

  • Dor;
  • Desconforto abdominal persistente;
  • Inchaço;
  • distensão abdominal;
  • Sensação de plenitude pós-prandial (come um pouco e tem impressão que comeu bastante).

Além disso, podem ocorrer enjoos, vômitos, alteração do hábito intestinal, dor durante a relação sexual, sangramento vaginal e aumento do volume abdominal às custas de um líquido chamado ascite. Pode ter também perda de peso nas fases mais avançadas da doença. 

Diagnóstico e tratamento

Os principais exames para tentar investigar essas queixas consistem no ultrassom transvaginal associado à dosagem de um marcador sanguíneo chamado CA125. Ocasionalmente pode-se fazer uma ressonância magnética do abdome. 

Para aqueles pacientes que têm sintomas persistentes que os exames não foram conclusivos, ocasionalmente é preciso uma atitude cirúrgica por meio de uma videolaparoscopia na perspectiva de avaliar dentro da cavidade abdominal através de uma câmera. 

Uma vez feito o diagnóstico através de uma biópsia dessas alterações, é fundamental fazer o estadiamento da doença que consiste em entender se é uma doença localizada, uma doença avançada ou uma doença metastática.

O próximo passo será então o tratamento que consiste na associação de quimioterapia com cirurgia. “Como a maioria das pacientes são diagnosticadas na fase avançada da doença, começamos o tratamento com a cirurgia antes da cirurgia, o que chamamos de quimioterapia nervo adjuvante ou citorredutora, na perspectiva de reduzir o volume tumoral e permitir uma cirurgia menos mórbida sobre o prognóstico e chance de cura”, comenta o cirurgião.

De acordo com o médico, as chances de cura no câncer de ovário são da ordem de 30 a 40%. Por isso, é fundamental buscar atendimento médico diante de sintomas abdominais e/ou ginecológicos persistentes. “Este profissional deve estar preparado para investigar essas queixas que, muitas vezes, são inespecíficas. Além disso, as pacientes devem manter uma rotina de acompanhamento até o esclarecimento da queixa ou um diagnóstico assertivo”, conclui Dr. Wesley. 

Mais notícias como essa

Estilo de Vida

Influenciadora mística Nanda Silveira explica o que pode atrapalhar a Lei da Atração e dá algumas dicas para você conseguir atrair o que pensa

Beleza

Corte curto e cheio de movimento é tendência entre celebridades; conheça o choppy bob e saiba como utilizar

Saúde

Especialista alerta sobre as doenças inflamatórias intestinais e a importância do diagnóstico precoce

Receitas

Se o seu bolo ficou seco demais, assou mais do que o esperado ou até ficou solado, pode ser possível reaproveitá-lo de alguma forma