Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Conheça doenças, além da raiva canina, que podem ser evitadas por meio da vacinação
Conheça doenças, além da raiva canina, que podem ser evitadas por meio da vacinação - Foto: Shutterstock

Pets

Raiva e outras doenças em cães que podem ser evitadas com vacinas

Nesse Dia Mundial contra a Raiva, veja a importância de vacinar o seu cãozinho contra essa e outras doenças

Dia 28 de setembro, é o Dia Mundial contra a Raiva, data importante para a conscientização dos tutores sobre a doença e a necessidade da vacinação dos pets para que a zoonose possa ser combatida. Porém, essa não é a única doença de cães que pode ser evitada com a vacina, viu? Na verdade, várias das principais enfermidades que afetam os bichinhos podem ser combatidas dessa forma.

Separamos a seguir as principais doenças em cães que as vacinas podem evitar, segundo Julcynete Magalhães, que é médica-veterinária. Confira:

Raiva

É uma das doenças mais graves para pets e ainda não tem cura. Trata-se de uma doença — que também pode ser transmitida para seres humanos — de notificação obrigatória. Ou seja, o dono precisa comunicar aos órgãos competentes em caso de infecção do animal.

A transmissão da raiva ocorre pela saliva ou pela mordida de um animal enfermo. Após a infecção, o vírus age no sistema neurológico do pet. Entre os sintomas da raiva estão: febre, dor de cabeça, salivação excessiva, espasmos e paralisia.

Como a vacina antirrábica é a única forma de evitar a doença, é muito importante que os tutores estejam alerta e vacinem seus animais. Muitas cidades realizam mutirões de vacinação gratuitos a fim de evitar esta zoonose.

Cinomose

Doença viral contagiosa provocada pelo vírus CDV, a cinomose é transmitida através do contato direto com secreções nasais e oculares, tosse e espirros. Além disso, as fezes também podem conter os vírus infectantes.

Na primeira fase da doença, o cão pode ter problemas respiratórios. Todavia a doença pode se agravar e causar danos neurológicos com efeitos como espasmos, paralisia e convulsão.

A cinomose pode levar o animal à morte e a única forma de ser evitá-la é com a imunização, encontrada nas vacinas múltiplas (óctupla ou décupla).

Parvovirose

A parvovirose é também considerada uma doença viral grave. A transmissão ocorre por meio das fezes de outros animais doentes e afeta o sistema digestivo dos cães. Com quadros de vômito e diarreia, na maioria das vezes com sangue nas fezes, a doença pode causar desidratação no animal.

Por se tratar de um vírus resistente, o agente infeccioso pode permanecer na residência por meses, mesmo após a higienização. Assim, caso o cão contraia a doença, é necessário que o ambiente fique pelo menos durante seis meses sem receber outros animais. É possível evitar a parvovirose com vacinas múltiplas.

Várias doenças caninas podem ser evitadas por meio das vacinas
Várias doenças caninas podem ser evitadas por meio das vacinas – Foto: Shutterstock

Hepatite infecciosa canina

É uma infecção no fígado de cães, causada pelo adenovírus tipo-1. O vírus acomete as células hepáticas do animal e pode ser fatal.

A doença, comum sobretudo em animais mais jovens, tem transmissão por meio de descargas orais e nasais, além de outras secreções, como as fezes de animais infectados. Após acometer o fígado, causa febre, vômito, diarreia e lesão ocular.

A principal forma de prevenir a enfermidade é por meio de vacinas múltiplas.

Leptospirose

É uma doença infecciosa transmitida pela bactéria leptospira durante a exposição do animal, de forma direta ou indireta, à urina de animais contaminados. A transmissão também é possível pelo contato de mucosas ou de pele lesionada com água contaminada.

Vale salientar que a doença é uma zoonose, então também pode passar para seres humanos. Entre os sintomas, estão a febre, vômitos, diarreia, perda de apetite, urina escura e úlcera bucal, além da cor amarelada nos olhos e na boca do animal.

Vacinas múltiplas são a melhor forma de prevenir a doença nos pets.

Doença respiratória infecciosa canina

Considerada uma espécie de gripe canina, é uma doença contagiosa que afeta o trato respiratório do cão. São vários os vírus e bactérias responsáveis pela infecção, entre eles Bordetella bronchiseptica (Bb), vírus parainfluenza (CPIV) e adenovírus tipo 2 (CAV-2).

Também são diversos os sinais clínicos da doença, mas os principais são febre, corrimento nasal e tosse, seguidos por possível taquipneia e lesões graves no trato respiratório, podendo progredir para uma pneumonia.

A prevenção contra o CPIV e CAV-2 está em vacinas múltiplas, enquanto o contra a Bb encontra-se em vacina separada ou em conjunto com as cepas citadas acima.

Coronavirose entérica canina

A coronavirose é uma doença viral que afeta o trato gastrointestinal do cachorro. Os sintomas são diarreia intensa, perda de apetite, vômito, desidratação, aumento de temperatura corporal e tremores, além de apatia e depressão.

O animal pode ser infectado por fezes de animais doentes. A enfermidade não é letal, mas, em conjunto com outras doenças, como a parvovirose, pode agravar o quadro geral do animal e aumentar a taxa de letalidade.

É possível prevenir essa doença altamente contagiosa com vacinação, por meio de vacinas múltiplas.

Giardíase canina

A doença, transmitida pelo protozoário Giardia lamblia, traz problemas intestinais, como diarreia, para o cão. Como o sintoma é muito parecido com o de várias outras doenças, a confirmação do diagnóstico depende de exame parasitológico de fezes.

É uma zoonose que pode afetar principalmente crianças, idosos e pessoas imunocomprometidas através da ingestão dos cistos. O pet pode se contaminar por meio das fezes de diferentes animais infectados, por água não filtrada e alimentos que não foram higienizados corretamente. Nesse sentido, é possível evitá-la por meio de vacina específica para a doença.

Leishmaniose

É uma das zoonoses mais graves. A transmissão da leishmaniose visceral canina ocorre principalmente pela picada do flebotomíneo, mais conhecido como mosquito-palha. Além disso, o cão é considerado o responsável pela manutenção do seu ciclo biológico no ambiente urbano, pois apresenta o maior número de parasitas, principalmente na pele.

O diagnóstico é considerado difícil, pois há grande variedade de sintomas que, por si só, não confirmam a doença, como crescimento exagerado das unhas, anemia, palidez da mucosa, dermatites, crescimento do baço e fígado, entre outros.

Há tratamentos contra a leishmaniose que aumentam a sobrevida e a qualidade de vida do animal infectado, mas não há cura. Assim, a principal forma de proteger o animal é por meio da vacina contra leishmaniose.

Por fim, vale lembrar que, para qualquer uma dessas vacinas, é necessário pesquisar sobre a quantidade de doses necessárias e outras informações importantes antes de levar o cão para ser vacinado.

Fonte: Julcynete Magalhães, médica-veterinária e supervisora comercial da VetBR.

Mais notícias como essa

Receitas

Alimentos termogênicos aumentam a temperatura corporal, acelerando o metabolismo e promovendo a queima de gordura

Saúde

Se não forem tratadas adequadamente, as varizes podem causar desconforto e provocar complicações mais graves

Receitas

Além de deliciosa para comer assistindo a um filminho, a pipoca tem vários benefícios e até emagrece, desde que consumida da forma correta

Beleza

Métodos estão cada vez mais avançados para combater inseguranças, mas podem oferecer riscos durante a gravidez